A morada da Sexta Felicidade ! Esse eu chorei mesmo, tão lindo!


Vou falar deste clássico simplesmente perfeito. Romântico na medida certa, emocionante na medida exata, uma história real de uma mulher admirável.

Preciso dizer, eu amo os filmes antigos, eles me tocam de um modo que os atuais não conseguem, na alma, eu penso. Me deixam aquela sensação de que tudo é mais bonito, mais colorido, mesmo quando o filme é em preto e branco ainda.

Ingrid Bergman, é uma musa inspiradora, com todo seu talento e seu rostinho de anjo, e os olhos que expressam tanto, mesmo sem as suas belas cores.

Estou apaixonada irremediavelmente pelo Curd Jürgens, tem aquele jeito de macho as antigas, de homem em toda ascepção da palavra.

Chorei bastante, tanto sentimento, tanta dor, tanta ternura e amor dessa missionária por seu general e suas crianças.
O tema real do filme é a caridade dessa missionária cristã destemida e amorosa,  sem ser um filme excessivamente moralista, mesmo sendo de fundo religioso, se reservando a liberdade poética de criar um clima de tensão amorosa entre os personagens principais de modo singelo, sensível e único, que só o cinema antigo tem.

Pra quem curte telecine Cult, está em cartaz essa semana, para quem não curte eu realmente lamento muito, é uma perda irreparável.

The Inn of the Sixth Happiness (texto wikipédia)
A morada da Sexta Felicidade (1958)

The Inn of the Sixth Happiness ( A morada da Sexta Felicidade) é um filme estadunidense de 1958 do gênero “Drama” dirigido por Mark Robson para a 20th Century Fox. É baseado na real história de Gladys Aylward, uma mulher inglesa determinada que se tornou missionária cristã na China durante o período turbulento do início da Segunda Guerra Mundial, quando aquele país foi invadido pelos japoneses. Foi o último filme de Robert Donat e foi realizado em CinemaScope.

O filme foi produzido na Grã-Bretanha. Snowdonia, ao norte do País de Gales, foi usada como cenário exterior. A maioria das crianças chinesas que aparecem no filme moravam em Liverpool, cidade conhecida por ter uma das maiores comunidades de chineses da Europa.

Elenco

* Ingrid Bergman…Gladys Aylward
* Curd Jürgens…Capitão/Coronel Lin Nan
* Robert Donat…Mandarim de Yang Cheng
* Michael David…Hok-A
* Athene Seyler…Jeannie Lawson
* Ronald Squire…Sir Francis Jamison
* Moultrie Kelsall…Dr. Robinson
* Richard Wattis…Senhor Murfin
* Peter Chong…Yang
* Tsai Chin…Sui-Lan
* Burt Kwouk…Li

Sinopse

Gladys Aylward é uma humilde e devota trabalhadora doméstica que sente que seu destino está na China. Ela tenta ser enviada como missionária cristã para lá, mas o Dr. Robinson, chefe da Missão em Londres, nega seu pedido por achar que ela não estava qualificada. Porém, seu patrão aristocrata descobre a vontade da mulher e a ajuda a ser enviada a uma missão na cidade de Yang Cheng, ao norte da China. Depois de viajar pela ferrovia Transiberiana, Aylward chega até o lugar e se encontra com a idosa Jeannie Lawson. Lawson quer construir uma estalagem para atrair as caravanas de tropeiros que passam pela cidade, pregando o evangelho durante as refeições. A estalagem começa funcionar a contento, mas quando Lawson morre em um acidente, a Missão pede à Aylward que feche o estabelecimento e retorne para a Inglaterra.

Ayward se nega e acaba aceitando um cargo oferecido pelo mandarim da cidade a fim de manter a estalagem funcionando. Ela se torna “inspetora de pés”, viajando pelos povoados remotos da provincia a fim de fiscalizar o respeito a uma nova lei, a que proibe o tradicional costume de amarrar e deformar os pés, imposto às mulheres. Nessas viagens ela continua suas pregações e socorre muitas pessoas, causando a admiração do povo, do mandarim e do chefe militar Lin Nan. Quando os japoneses invadem o norte da China, durante a Segunda Guerra Mundial, Ayward deverá passar por uma perigosa jornada, levando cem crianças órfãs através do território em guerra, a fim de que possam ser socorridas pela Missão que as esperam em um porto do Rio Amarelo.

Acurácia histórica

A história narrada no filme se baseou no livro The Small Woman (1957), de Alan Burgess.

A verdadeira Gladys Aylward (1902–1970) nasceu em Londres e se tornou missionária na China, adquirindo a cidadania chinesa em 1936. Quatro anos depois ela liderou a jornada com as crianças, mencionada no filme.

Em 1958, o ano do lançamento do filme, ela fundou um lar para crianças em Taiwan, onde ficou até sua morte. Conhecida na China como “Ai-weh-deh” (transliterado para o inglês), ou a “Virtuosa”, ela é respeitada como uma heroína nacional.

O roteiro incluiu um interesse romântico, o coronel eurasiano Lin-Nan, e são mostradas “cenas de amor” do casal, que causou desconforto a Aylward, segundo relatos, que temia pela sua reputação.

Globo de Ouro

* Mark Robson ganhou o prêmio e Robert Donat e Ingrid Bergman foram indicados nas categorias de melhores atores.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s